segunda-feira, janeiro 07, 2008

"Eles Fizeram os Dias Assim..."

Há dias assim!
Chegou ao fim um dos maiores e mais inertes dias da minha existência...
Sem a sensação de ter feito algo que valesse a pena, sem a noção de ter realizado coisas, sem ter falado com ninguém (praticamente) e de ter perdido 24hs que um dia lamentarei.
Antes de se retirar, o meu Dono acusava-me de me fechar e não o deixar ajudar-me - passo a explicar...

Há dias assim!
Quando parece que nada vale a pena e não faz sentido e só queriamos dormir e não acordar.
Quando faço um balanço e sinto que o Mundo me cuspiu do prato e não entendo porquê...
Valem-me os Amigos, os verdadeiros, como o que acabou de desligar o telefone depois de 2hs de me fazer companhia a ver TV, cada um em sua casa...
É, há dias assim.
Em que os nervos à flor da pele e a vida à flor da pele, causam uma estranha calma de morte e tudo fica numa moldura e só a cabeça estoura, lateja e vibra...




Perdoem o desabafo, mas sou humana e nem sempre a Vida corre bem.
A minha vida está complicada, a minha saúde também e só o meu Dono e os Amigos e família valem a pena; incluo os meus leitores incondiconais nos Amigos, note-se...

Ontem bati a porta na cara a alguém em quem depositei as maiores esperanças, durante demasiado tempo - alguém que mudou a minha vida para pior e mesmo assim o desculpei.
De repente, o meu Dono diz-me "Viveste essa relação a dar e a sentir pelos dois!" e parei e pensei que ele tinha toda a razão.
Nunca façam isso!
Nunca se entreguem e fiquem e insistam pelos dois - a outra parte não merece, garanto.
Se o permite não há equipa, é uma rua de sentido único.
E então ontem fechei a porta e fiquei zangada e odiei e até pareci igual a essa outra pessoa, cheia de ódio, medo, raiva, vontade de partir tudo.
E recuso-me ser igual.
Hoje foi a ressaca - porque não parti portas nem vidros, nem chamei nomes nem disse verdades a cuspir saliva!
Ressaquei pela pena do tempo perdido, pelo investimento de sentimentos e dores, pelo Amor da submissão que dediquei a quem nunca esteva lá, nesse Passado, e nunca agradeceu...

Quis o destino que um Homem e Senhor e Dono com maiúscula me encontrasse e me desse a paciência e Tempo precisos para lamber as feridas, e é esse o milagre!
Alguém que compreende e aceita, apesar de Dono - não um tirano qualquer de chicote na mão e insegurança na ponta dos dedos.
Alguém que já me leu a alma e sabe que este dia teria de chegar por si!
E chegou e eu tive de fazer o meu luto e ele acompanhou-me como pôde e eu fechei-me em mim e não o deixei fazer mais - lamento, mas há fendas no rochedo do Mundo onde só cabe um de cada vez.

Obrigada meu Dono, uma vez mais e cada vez mais sentido!
Obrigada aos que não me deixam cair e me pousam devagarinho...
Obrigada aos Amigos e aos leitores que, certamente, também têm, por vezes, dias assim...



"Chora sobre a vila... como chora no meu coração!"

7 comentários:

JoaoDeAviz disse...

"There are things there are known, and thinghs that are unknown, in between them, there are doors"
Jim Morrison

lone^wolf disse...

há dias assim, pior, á FINS DE SEMANA assim, e quando nada pode atenuar essas 24h ou 48h, há que perder-se no tempo, fazer com que passe depressa e esperar a o dia ou a semana seguinte...é o que eu faço.

Dominador1960 disse...

" Let us not look back in anger or forward in fear, but around in awareness."

James Thurber

O ideal é tentar não encontrar muitos dias desses, mas sim tentar alcançar os outros e desfrutá-los até ao limite dos Sentidos.

Walter_ego disse...

Eu tenho uma teoria simples de vida, não ha nada como relativizar os problemas.
Basta por de lado a parte emocional e aplicas apenas lado logico a coisa, rapidamente percebes que afinal num dia mau para ti muita gente punha a banda sonora do Lou Reed e cantava Perfect Day drink sangria in the park. and then later, when it gets dark. we go home
*

Anónimo disse...

Há cantos da nossa personalidade que só podem ser vistos de fora. Há certamente dias assim. Mas ao ler-te hoje, vi padrões de comportamento em que cais de forma repetitiva, que te fazem sofrer. Já te li assim antes, e antes ainda. Se quiseres, experimenta abandonar esse tipo de sofrimento. Experimenta relacionar-te com as pessoas sem criares expectativas, sem esperares nada em troca, sem depositares coisa nenhuma. Dá o que tiveres para dar, dá-te toda, o feed-back não é problema teu.
Experimenta ver o que de bom há nas pessoas e nas relações e, quando acabarem, percebe que é porque tinha que ser assim. A vida é impermanência. Perdoa, let go. Sofre, se preciso for, mas não guardes rancores, mágoas, ressentimentos. Só te podes sentir traída se te deixares trair, a tua vida só pode mudar para pior se deixares que mude. Aquilo que se dá, deve dar-se de coração aberto. Deste, está dado. Não podes esperar nada em troca, não podes recuperar o que deste, não da forma como pensas. A entrega não se tem de volta. Esse é o significado de dar. A vida não é uma contabilidade, não há um deve/haver. E rapidamente vais comprovar que, quanto mais deres, mais tens para dar. Na verdade, és inesgotável. Quanto à saúde, ela começa muito antes do físico. A tristeza, a mágoa, a raiva, todos os sentimentos negativos se reflectem mais cedo ou mais tarde no plano físico. Procura dentro de ti. Elimina o que te intoxica. Procura outras opiniões. Se quiseres, claro.
Guarda o sofrimento para as sessões ;-)Felicidades.

Kanina disse...

Há dias assim, muito simplesmente, para apreciarmos os bons dias :)

lusitanis disse...

O criar espectativas em demasia nos outros, põe-nos assim. Devemos confiar nos outros mas, não dar todos os nossos créditos, ficamos desfalcados, vulneráveis e, até carentes. Não estou a querer dizer com estas palavras que nos tornemos egoístas, não, nada disso, o que devemos tentar é não cair no fosso que nos vão abrindo.
Se um teu "amigo" mostrou não o ser, então, não lamentes, não era teu amigo.
Cabeça erguida, sacode as más energias e, vai em frente, nunca te arrependas do que fizeste, admite o erro simplesmente, a vida é para se viver o melhor possível.