sexta-feira, outubro 29, 2010



Bacalhau c/ Natas

Lombo Assado



Custo: 13€ p.pessoa


quinta-feira, outubro 28, 2010

Com pré-inscrição em guest-list preço Dominium na Festa do Sexo 10€ p/pessoa * Sábado 30 Outubro

Espaço reservado Dominium no Teatro Sá da Bandeira

Mais INFO directa para

Bute lá ser muitoooooooooo Alternativo!!!!!!!!

PS: A guest list já tem umas dezenas de nomes...

quarta-feira, outubro 27, 2010


O Projecto Dominium, como vem sendo seu objectivo desde o começo, continua a apoiar o Meio Alternativo sem discriminação de género, raça, credo, opção sexual ou outra - desde que SSC - São, Seguro e Consentido.
De novo, estará presente junto da Comunidade LGBT, no Porto, dia 30 Outubro, na Festa do Sexo, a convite e em apoio ao PRIDE Bar, com todo o orgulho inerente à circunstância.
A noite começará com um jantar na zona do Grande Porto - mais pormenores serão fornecidos em nos próximos dias - e a pré-inscrição é obrigatória para
O Projecto Dominium terá guest list na Festa do Sexo e área reservada...
Bute lá continuar a consolidar a Comunidade Alternativa Portuguesa!

quinta-feira, outubro 21, 2010

BDSM And Feminism

BDSM And Feminism: "Stop Telling Me What I'm Supposed To Like, D*mn It."

The first article by Jessica Wakeman that stuck in my head was about her reconciling her feminism with being spanked. It didn't get the best reception, but I asked her to talk more about reconciling feminism and BDSM.

You wrote a while back about coming to terms with being aroused by spanking and being a feminist, and how you eventually reconciled the two. It was a piece that garnered a lot of criticism... but also a lot of positive comments from women who engage in that and other activities that fall loosely under the BDSM rubric and call themselves feminists. Where do you think your critics misunderstood what you were saying? How did you begin to view your place in the larger feminist community as a result of that article and the responses?
Well, the background story is that around 2005 or so, I was engaging in a lot of light BDSM play with my boyfriend at the time who had an extremely dominant personality. I'd dabbled in spanking play with guys in the past, but this time, the relationship itself had a dominant/ submissive aspect. I felt pretty ashamed and conflicted about that, because I identify as a feminist and being dominated seemed like something I wasn't supposed to like. So, I started Googling search terms like "dominant and submissive relationships" and eventually found whole communities of women online who are in what are called "domestic discipline" relationships (sometimes called "Christian domestic discipline," too, but definitely not all of the people who practice DD are Christians.) In DD relationships, there's a lot of spanking punishment in the relationships, as well as spanking play during sex. A lot of women in DD relationships write blogs and I found this so fascinating that I pitched an article about it for "Bitch" magazine. I interviewed women in DD relationships who identified as feminists, including women who were pursuing graduate degrees in women's studies, and their self-assuredness and confidence really made me feel less insecure about my own enjoyment of spanking. My article "Slap Happy" was published in Bitch in spring 2007, I believe. About a year or two later, I felt comfortable writing about my own interest in spanking play during sex for The Frisky.

I just assume spanking sex play will always be misunderstood by some people. I especially think some feminists can be doctrinaire: "X is always bad for women," "women do this because of X," "men do this because of X." I read a lot of pooh-poohing online of sex acts depicted in movies or TV that are really arousing for me. For example, when clips of Casey Affleck spanking Jessica Alba in "The Killer Inside Me" were released, some women were disgusted because his character is an abuser and a murderer. I just thought, "This is only a movie and it's a really hot sex scene!"

When it comes to women and sexuality, there's a lot of nuances you can't ignore and I think some feminists do so at their detriment. I wrote the spanking essay for The Frisky partially to figure it out for myself, partially to let other women who felt the same way know they were not alone, and partially to tell those other feminists, ‘Stop telling me what I'm supposed to like, damn it.'

As for my place in the larger feminist community, I have been writing about feminist issues for about eight years now: feminism and media criticism, feminism and sex, feminism and politics, feminism and my personal life, and so on. The spanking essay was just one piece of thousands I've written in my life (I've written over 2,200 posts for The Frisky alone). I would never want to be pigeonholed as if writing about spanking or BDSM is the only thing I have to contribute - it's not. It just happens to be the most salacious. I would imagine Daphne Merkin, who wrote a piece for The New Yorker about how she loves spanking sex play, probably feels the same way.

Why would you say that you had so much trouble reconciling your feminism with your interest in being spanked? What about your early understanding of feminism made you believe that seeking out something you found pleasurable was in so much conflict with feminism?

It was not necessarily the act of spanking that I found difficult to reconcile, it was enjoying dominant relationships. I grew up seeing characters on TV and in movies getting spanked in a playful and sexual way ("I Love Lucy," for example) and the act itself didn't seem taboo so much as embarrassing. But wanted to be dominated by a man? Now that was taboo for a feminist. I knew intellectually that our feminist ancestors fought for us to be equals to our partners. I felt embarrassed that my grandmothers or great-grandmothers did not have the right to vote, keep a bank account in their own name, or own property, and may have been literally forced to be a maid/chef/mommy for their men. Playing around with domination and submission - being bossed around, being ordered to perform sex acts, being spanking or restrained, being verbally talked down to - all seemed antithetical to feminism by its basic definition. Around 2005, when I had my first dabblings in a dominant/submissive relationship, I found myself always wondering, "Is it OK for me to like this? How can I be a good feminist and still like a man taking charge outside the bedroom? "

But again, it comes back to what happens in the bedroom and what happens in real life. I can enjoy things in the context of sex or flirting that I don't want to happen in my day-to-day life. Once I felt secure in that knowledge, several years later, I was able to have a dominant/submissive relationship with a guy and it honestly resulted in some of the most erotic, sexually satisfying experiences of my life. To quote from my piece on The Frisky about it:

As part of our "play," I would ask him permission to do lots of things. I told him about all the kinds of bras and panties in my drawers and each morning he'd tell me which ones to wear, which I would send him in a photo. I would ask him how to dress each morning. I would ask him if I could watch a movie or if I had to work on writing a freelance article more. If I "disobeyed" him during this sexy-talk "play," he would tell me over the phone or over IM how he would "punish" me.

But it was the sexual domination that was most amazing to me. Even though we physically had not been intimate with each other yet because of his girlfriend, we had phone sex with each other frequently where he'd verbally explain to me how he was going to spank me. And much of our IM chats and emails were dirty talk about future spanking "punishments" to come: He would promise I'd be spanked 10 times for this or that infraction. He'd also tell me whether he was going to spank me with his hands or with his paddle. And, of course, we would talk dirty at length about having intercourse. Through all of this, he wanted me to call him "sir."

One common critique of women that engage in consensual BDSM play is that they are acting out patriarchal fantasies, rather than engaging in acts that legitimately bring them pleasure. Another is that women engage in such play because they are coerced, or because they are "taught" that such things are sexy because they or their partners saw it in porn. How would you respond to that?

Ugh, I hate this question.
Fact: Spanking play is a sexual fetish.
Fact: Fulfilling that fetish with men I trust legitimately gives me pleasure.
Fact: To that end, spanking play is no different from other fetishes like cross-dressing or golden showers.
Yes, the fact spanking play involves being physically hit by your partner(s). I know as well as anyone else about your culture's problem of violence against women. But I can choose to put my trust in men and do things in the bedroom which would be inappropriate in the outside world. The phrase people use in the BDSM world is "safe, sane and consensual" and for me, spanking play is all of those things. The bedroom is a special place to ask out fantasies, not to adhere to political correctness.

The argument that women who enjoy BDSM are "taught" they should be submissive in bed is insulting to me as a feminist: I'm not a little girl who n
eeds other people to tell me what's best for me. I choose to trust the men I "play" with." I know what kind of pornography and erotica turns me on. I know what kind of touch turns me on. I know what kind of words and tone of voice turn me on. In fact, there's sort of a joke in BDSM that submissives are actually the dominant ones because they have ultimate control (like with a safe word). As far as spanking play goes, I've always been the ones telling men to do this to me, to do it harder, to do it softer, and when to stop. I guess you could argue that I've been brainwashed into being kinky, but that would be a reach.
And this should be obvious but it's worth saying: a real physically or emotionally abusive relationship is not "safe, sane and consensual."

You have said, on Twitter [and, I think in your writing, but please correct me] that you have a long-term (male) partner. Would you characterize your relationship as pretty equal, in and/or out of the bedroom? Do you feel that your interest in this play affects the equality of your relationship outside (or inside) the bedroom?

Yes, I'm in a long term relationship with a male partner, who I hope will be my life partner. Our relationship is really as egalitarian as we both know how to make it be in every aspect of our lives. I don't know if this is because we don't have a dominant/submissive relationship, but I'd like to think if I ever wanted to have that with him, we would be still be equals. We split chores evenly, contribute evenly to the rent and household expenses, etc. My sexual pecadilloes as far as spanking play are actually a really small part of our relationship as a whole and I can't say they have any bearing on our relationship.


Numa era em que a escassez de valores morais, pessoais e não-integração social faz o Homem sentir-se cada vez mais pequeno no Universo, a procura de alternativas leva-o pela mão a esgravatar num pot-pourri de Esoterismos, Ciências Ocultas e tudo o que seja pouco convencional.
Mas o insight, a procura interior, faz-se na pele e precisa de alguém que o entenda como igual, ainda que correndo o risco de ser "queimado na fogueira" dos rótulos fáceis e do ostracismo hipócrita.
Apesar disso, é crescente a desmistificação e a tentativa científica de destigmatização do que é desvio e parafilia em oposição a práticas consensuais saudáveis num adulto de bem com a sua sexualidade...

"O Estranho: Desvio ou Normalidade?

O "estranho" sempre tomou uma certa atenção da humanidade. Durante alguns anos o que era estranho era excluído, depois passou a ser tratado, e hoje em dia, há uma nova tendência: o experimentar. Como designar que algo é estranho? No que diz respeito a sexualidade, existe o Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-IV), um manual científico da saúde mental, nele é descrito as disfunções sexuais (aquilo que não funciona bem) e as parafilias (desvio), este manual assume padrões comportamentais, partem de um sistema universal e aplica num contexto particular as classificações confirmadas pela estatística.

Encontramos aqui o estranho; o que não funciona bem, instigam as pessoas a quererem ser normais, a procurarem ajuda para conseguir um equilíbrio psicológico, visto que a disfunção sexual causa angústia pessoal ao indivíduo e ao parceiro. A normalidade aqui aparece como objectivo.

E o desvio? As parafilias, fantasias e práticas sexuais específicas que um indivíduo necessita para atingir a excitação e o orgasmo. Foi a própria parafilia que impulsionou o nascimento da sexologia no fim do séc. XIX.

Mas o que é feito hoje do desvio? Quem realmente tem uma parafilia geralmente não procura ajuda porque tem a percepção de que é normal. Então sobra um resto, o desvio do prazer e das práticas radicais de experimentação. Aquilo que dantes era patologia, hoje surge como uma variante de experiência e busca de novas sensações de prazer, as pessoas procuram parafilias específicas e simulam relações sexuais como se as tivessem, serão eles "desviados" ou estamos caminhando para um novo conceito de sexualidade?"

Érica Morbeck, Sexóloga

A Libido

"A libido - o desejo ou o apetite sexual – na mulher é resultado de reacções do organismo que sofrem influência de factores como idade, menopausa, gravidez, amamentação, stress, luto, insatisfação no trabalho, desemprego, desentendimentos com o parceiro, divórcio e aumento do peso, entre outros.

Isto porque o sexo, assim como as emoções, é comandado pelo cérebro. Então, para atingir uma sexualidade plena, é preciso sentirmo-nos bem também em outras áreas.

Um dos principais fatores que afetam directamente a libido é o aumento do índice de massa corporal (IMC), devido à alimentação rica em gorduras, associada ao sedentarismo. Primeiro porque pode mexer com a auto-estima, com a forma como a pessoa se vê e se aceita e, depois, influencia na diminuição dos índices de testosterona, associado ao prazer.

A gravidez, por exemplo, pode tanto diminuir quanto aumentar o desejo sexual. Além das mudanças hormonais, conta muito o estado psicológico da grávida: como está a lidar com a novidade; se a gestação foi programada e se ela se sente amada e desejada pelo companheiro. A experiência de gerar uma vida, associada a um suporte afetivo e emocional, vai fazer com que a mulher se sinta plena, contribuindo para aumentar a libido."

Angelita Corrêa Scardua, psicóloga clínica.

segunda-feira, outubro 04, 2010



MITHOS CRIAÇÕES é um Projecto Alternativo que inaugura no próximo dia 9 de Outubro, no Porto, a sua primeira loja.
Não obstante a Moda Goth nas suas mais recentes tendências internacionais ser uma constante, outras vertentes e estilos underground desde a Europa à Ásia podem ser aqui encontrados. Sejam acessórios – chapéus, luvas, malas, leques, joalharia, etc. – calçado ou roupa a nossa preocupação é agradar, oferecendo não só uma excelente relação qualidade/preço, como modelos em tamanhos grandes, nem sempre fáceis de encontrar.
Se já conhece os produtos com a chancela de qualidade da Alchemy, Aderlass ou Queen of Darkness – entre outras – não dispense uma visita à nossa loja para descobrir a linha mais inovadora que chega do Japão – Shiroi Neko.

Estes são motivos de sobra para o convidarmos, dia 9 de Outubro, depois das 15h, a comparecer na Rua Latino Coelho, 72 – Loja 9 (perto da Praça do Marquês), Porto, à inauguração deste espaço.

MITHOS – A Loja Alternativa no Porto

domingo, outubro 03, 2010


“No próximo dia 02-10 será comemorada mais uma data safadinha no calendário nacional. Neste caso é o Dia da Podolatria. Porque 02-10? Simples… A data representa dois pés e dez dedos, paixão de dez entre dez podólatras, mas… o que é Podolatria?"

Podolatria é um tipo particular de fetiche cujo desejo se concentra nos pés. No Brasil, um fetichista de pés é normalmente reconhecido pela expressão ‘podólatra’. Já em Portugal não é incomum o uso do termo ‘podófilo’. Wikipedia

Costumo dizer que de todas as parafilias, a podolatria é a mais normalzinha, ou pelo menos a mais disfarçável. Afinal de contas, carícias nos pés são completamente normais e aceitáveis em qualquer ambiente, quanto mais dentro de um contexto erótico.

Só pra vocês terem uma pequena noção, tenho um amigo que teve um relacionamento que durou catorze anos e apesar de ter um tesão absurdo pelo pé da sua parceira, isso nunca foi tratado como um fetiche. Ou seja, pelo menos por ele, ela nunca soube que ele era um podólatra. Ou talvez nunca usaram esta denominação. É claro que ele preferiria acariciar seus pés a um cafuné ou beijo na boca, e na cama, sempre chegava ao clímax em posições sexuais que pudessem na hora H, abocanhar os pés da amada. O relacionamento acabou por outros motivos, e ele chegou a me confessar que só não a largou antes, pois era realmente fissurado em seus pés. Bom, não preciso dizer que o próximo relacionamento deste amigo também foi por um tropeço dela, nele.


Hoje em dia com a internet, redes de relacionamento, blogs e listas de discussão, não é incomum fazer uma busca e descobrir um número enorme de resultados. No Google, por exemplo, há aproximadamente 53.500 resultados para podolatria. Ou seja, um podólatra pode ser tudo, menos um solitário. A net virou um verdadeiro playground, onde o objecto de desejo se encontra a um click, ou quase.

Se uns são apaixonados por seios fartos, bundas, fruta ou xoxotas flores, o podólatra não chega a ser indiferente a nenhum destes atributos, mas… Prefere mamar o dedão de um pé a um mamilo ou xoxota. Um exemplo maravilhoso disso é a nova propaganda das Havaianas com a Taís Araújo, onde o namorado chega e ela está de robe e passando creme no rosto, horrorosa. No entanto, assim que a vê ele baixa imediatamente os olhos e mirando os seus pés diz: “Nossa, como você está linda, charmosa… Caprichou, hein?!”

Os teus pés
Quando não posso contemplar teu rosto,
Contemplo os teus pés.
Teus pés de osso arqueado,
Teus pequenos pés duros (…)

Pablo Neruda


Diante de tanta paixão, e hoje em dia tanta facilidade, a podolatria deixou de ser eufemismo de poeta, mania de doido e passou a ser difundida com alguma normalidade. Vide as novelas, que em qualquer horário ou classificação etária abusam de cenas fetichistas, onde beijos, carícias e lambidas ao longo das solas, são quase tão comuns quanto um abraço. Em uma das listas de discussão que faço parte, alguns rapazes passaram a ser noveleiros de plantão, a espera dos closes não mais inusitados de belas solas.

No cinema, alguns cineastas abusam do fetiche. Almodôvar parece um amante das parafilias em geral, mas é Quentin Tarantino, um podólatra assumido, que dá um show nos filmes que faz ou participa. Dedica-se a takes antológicos que povoam a mente de qualquer amante de pés. Juliete Lewis, Bridget Fonda, Uma Thurman… Quem não lembra do close de solas da Uma Thurman em “Kill Bill”, onde ela ficava minutos olhando para o próprio pé dizendo: “Acorda dedão!”? Ou da sensualíssima cena de “Um Drink no Inferno”, este de Robert Rodriguez, onde Salma Hayek enfia o dedão do pé na boca da personagem interpretada por Tarantino e derrama bebida pelo pé e termina chutando a sua face? Pois é, mas apesar desta cena forte, nem todo podólatra curte ser humilhado.


Um erro comum é pensar que podolatria e a fantasia da submissão são uma coisa só. Não é porque o cara prefere olhar um pé a um par de peitos que faz desse indivíduo um masoquista ou submisso. A podolatria é um fetiche. Um podólatra pode até ter a fantasia da submissão, mas não necessariamente. Por outro lado um masoquista submisso, se for ordenado pela Dominadora a lamber suas solas, mesmo (ou principalmente) odiando este ato, esta humilhação será o ápice do seu prazer.


Como toda tribo, a podolatria também tem seu dialecto e os termos quase em sua totalidade estão em inglês, apesar de hoje em dia muitos deles tenham sido aculturados por aqui.

* Barefeet – Pés descalços
Se alguns amam ver pés desfilando em botas, sandálias, scarpins ou tamancos, outros só se excitam vendo os pés descalços.

* Crush – Prática em que o podólatra gosta de ver uma mulher esmagando frutas, comidas, objetos, (em alguns casos super questionados) animais ou mesmo partes do seu corpo.

* Dangling – É aquela balançadinha de sapato que a mulher fica displicentemente fazendo, às vezes sem perceber, com as pernas cruzadas, meio que batendo eventualmente o solado na sola.

* Footjob – Imagine uma punheta com os pés… Imaginou? É mais ou menos isso. Como se as solas fossem mãos, o pé faz o serviço.

* Smell feet – Chulé!
Ainda que pareça impossível, tem quem ame um cheiro de meias usadas ou pé bem fedido.

* Trample - Para podólatras que curtem ser pisoteados, servir de tapete ou base de salto para suas amadas.
Alguns, chegam a suportar dez vezes o seu peso.

* Worship – Para aqueles que curtem ficar em adoração aos pés da amada, só beijando, lambendo, mordendo, degustando…

E de onde veio o 02-10?

O 02-10 é uma sacação do promoter de festas fetichistas e podólatra Podo_RJ (Brasil). Organizador há quatro anos, junto com sua esposa Deusa Mazinha, da Festa Desejo – BDSM e Podolatria no RJ. Promovendo uma das festas mais bem equipadas para o público podólatra e fetichista em geral, e também autor de algumas loucuras podólatras que já foram aculturadas por aí.

É o caso da cai-PÉ-rinha, um crush de frutas onde a mulher as amassa até virar suco, que adicionado à bebida é degustado pelo podólatra, mas… Só depois dele limpar os pés dela com a boca. Há também o Feet-Hall da Fama, onde toda mulher que vai à Festa Desejo, perpetua suas solas decalcando-a em tinta numa tela que depois passa a decorar as paredes do local. E o Tramplódromo, uma estrutura metálica, com barras acolchoadas (para não dar calos nas mãos das moças) que facilita o passeio e os saltos sobre os rapazes-tapete.

No entanto, foi o Dia da Podolatria 02-10 criado há três anos que virou mania nacional. O Encontro Nacional de Podolatria, organizado pela festa, reúne podólatras de várias partes do Brasil para brincadeiras, exposições, sorteios, e bate-papos descontraídos sobre o tema. Uma maneira deliciosa de interagir com pessoas de fetiche igual. (…)”

Blog Vida Secreta


Mais INFO:

E uma prenda…