segunda-feira, março 31, 2008

PELA ESTRADA QUE SE CHAMA CONHECIMENTO

"Eu não acredito que existem heróis. A gente pode ter pessoas realmente espetaculares, por exemplo, figuras espiritualizadas, religiosas, que são
grandes modelos para a humanidade, mas na verdade todo mundo é igual. Eu não acredito que eu tenha uma verdade a mais. E principalmente a juventude. Se a juventude cair nesse erro de acreditar que sim, elas inevitavelmente vão acabar descobrindo que o ídolo delas tem pés de barro." (Renato Russo)


Quando eu iniciei no BDSM, meus primeiros orientadores indiretos sempre diziam que eu deveria aprender inicialmente a respeito da dominação física. Deveria aprender algumas técnicas para amarrar, humilhar, bater e torturar alguém. Se não soubesse tais técnicas não poderia ser um Dominante. Hoje quase um ano depois, percebo que isso foi uma forma errada de aprendizagem para uma pessoa que estava começando.

Com o conhecimento adquirido nesse pequeno intervalo de tempo, já tenho um embasa-mento para dizer que a primeira lição de um Dominante não é ter domínio sobre as suas mãos e sim, saber entender a sua própria mente, ao querer ensinar outra pessoa, fazer com ela evolua tanto físico como psicologicamente é de fundamental importância saber aprender e querer sempre aprender mais.

Exatamente. Aprender! E aprender não é uma tarefa fácil para quem não tem paciência e não sente prazer para tal. Porque adquirir conhecimento é extremamente “chato”. E por isso, a maioria prefere receber tudo mastigado, não gostam de ficar horas e horas diante de um livro, de um texto ou de um artigo lendo e pensando, para que assim possam for-mar as suas próprias opiniões. Muitas vezes para se adquirir conhecimento você tem que fazer tudo sozinho “perdendo” seu precioso tempo com consigo mesmo, mas muitos preferem algo no estilo “fast food”. Rápido e pronto.Sem dizer que, muitas vezes, deve-se procurar outras pessoas mais conhecedoras do assunto e revelar a elas que você não sabe algo, reconhecendo sua ignorância e pedindo ajuda. Para muitos “mestres” e “senhores” é o fim do mundo fazer isso. Onde já se viu Um “mestre” ou “senhor” reconhecer que não sabe algo e que precisa de outra pessoa para aprender?

Jamais!

E no nosso meio, onde os egos são mais do que exaltados, o estilo “fast food” de ter conhecimento é muito mais favorável e aplicado. Acredito que... aliás, acredito não, tenho certeza que este estilo é aplicado simplesmente por causa de um dos mais conhecidos pecados: a preguiça.Em nome dessa preguiça muitos preferem pular esse estágio e declaram ter o conhecimento que o título proporciona sem tê-lo adquirido pelo tempo, pela dedicação e pela competência que se exige para tal. Novamente a preguiça faz seu papel, pois esforço, dedicação e competência são inimigos mortais dela. Tudo que se possa conseguir de forma árdua e que exige um bom caráter também vai contra a filosofia do preguiçoso.

Na minha opinião, quando falamos sobre o conhecimento a respeito do BDSM, a preguiça cria alguns monstros. Entre tanto e ao meu ver o mais perigoso de todos é o “ídolo de pés de barro” ou mais especificamente o "Dominador de pés de barro", ou seja, muita pose, muita ordem e pouco conhecimento... para não dizer nenhum.

Um indivíduo que gosta de se portar como um exemplo de conhecimento, de integridade, de hombridade, alguém que por si só está acima de todos os outros. O senhor da verdade. Adora dar palpites na vida dos outros. É um indivíduo que em sua arrogância bestial é capaz de dirigir a si mesmo na terceira pessoa quando conversa com você, mas se for pressionado com um pouco mais de insistência é capaz de deixar tudo que ostenta cair.

Quando uma pessoa escolhe este caminho que é muito mais fácil de trilhar, fica torcendo para que nenhum outro ídolo, no nosso caso, um Dominante verdadeiro passe por ela. Por ter um teto de vidro sobre a sua cabeça faz a sua aparição medíocre e corre para se esconder, pois caso um Dominante verdadeiro cruze o seu caminho, é inevitável a queda de sua máscara.

Inevitavelmente uma pessoa com tal conduta é, em sua natureza, aquela tipo que costumamos chamar de “pessoa maldosa”, e como tal, é capaz de fazer tudo o que for possível para esconder a sua verdadeira identidade para não dizer, que quer realmente, é esconder a sua total ignorância e preguiça.

Entre as demonstrações de sua falta dominação no assunto estão atitudes como não se revelar verdadeiramente para alguém sempre utilizando alguma desculpa para revelar a sua verdade.

Utilizam-se de alguns mecanismos para manter a pose e soltam perolas do tipo “eu sou muito mais além disso, não venha com essas bobagem. Sou Dominador e minhas preocupações vão muito mais além dessa insignificante duvida que está querendo tirar comigo”.

Sendo um ídolo de pés de barro, preguiçoso e principalmente com a maldade em sua alma, esse tipo de falso Dominante utiliza o ataque como a melhor forma de se defender, assim consegue esconder a sua verdadeira face. Consegue fazer com que o foco seja direcionado para outro lugar e conseqüentemente a sua falsa identidade tem um pouco mais de existência.

Entre as suas armas estão atitudes do tipo roubar filosofias alheias e dizer que essas lhe pertencem. Com isso, iludem outros membros do meio, pois estes acreditando existir um bom caráter no crápula não conseguem enxergar sua verdadeira face.Na minha opinião, pessoas assim são extremamente medrosas e também de alta periculosidade. São covardes. E covardes sempre fogem na hora da verdade. Colocam os rabinhos entre as pernas e correm para longe como o papa-léguas.

Um Dominante sério não teme a verdade. Não tem medo de expor as suas fraquezas para quem merece vê-las e principalmente, um Dominante verdadeiro sempre está em processo de evolução e de aprimoramento.A luta é constante e diária. É interminável. Tudo e todos são fontes para que ele adquira mais conhecimento. Não faz distinção entre Dominante e dominado e sim, entre certo e errado."

in http://ghostwish.blogspot.com/


Parabéns a quem pensa, sente e se comporta assim - houvesse mais Dominadores na nossa Comunidade a pensar assim e seria "a wonderful world"!
Importante reter: a distinção entre certo e errado!!!!!!

sábado, março 29, 2008

É meia-noite e meia e desde as vinte horas que o meu Dono viaja para se encontrar comigo.
Ainda não chegou e eu estou ansiosa.
Tenho a mesa posta, banho tomado, cabelo lavado e um toque feminino - acendi incenso no hall de entrada e tenho bons cheiros pela casa toda.
Velas acesas e luzes baixas.
No pescoço a coleira de todos os dias - um fio de prata com medalha, gravada...
Estou esfomeada dele, de me dar a ele, de o gostar nos seus desejos e vontades.
E ele acbou de me dizer em todas as chamadas que me vem jantar.
Se não é algo que nos faz feliz, nada fará...
Bem-vindo!

quinta-feira, março 27, 2008


Seria feliz sem o meu Dono? Não!

Conseguiria seguir a linha da estrada? Não!

Voltaria a acreditar em gente boa e altruísta? Não!

Sentir-me-ia mais só e perdida? Sim!

Seria uma alma penada sem rumo, azeda pelo Passado? Sim!

Quereria voltar a tentar? Não!

Sorriria sem medo? Não!


Obrigada, meu Dono, por acreditar em mim quando nem eu acreditava...

O milagre da entrega mútua - o nosso milagre!




O sorriso rasgado no rosto!

Voltei...
Pela mão do meu Dono e com ajuda da familia e Amigos com A maiúsculo...
A todos agradeço!
Segue-se longa recuperação de movimentos e agilidade nas mãos, mas é uma questão de tempo.

Mas neste período de estagnação e imobilidade forçados, muita coisa vem à cabeça e, mais do que nunca, sente-se que ser dependente sem se querer é um mal que magoa muito!
E isso leva-nos ao BDSM - ser dependente porque se quer! O que faz toda a diferença...

Antes das operações o medo das anestesias gerais e dos nervos em franja a remendar mais uma existência tumultuosa e plena de inconstâncias, dum ser agitado e cheio de pressa de fazer coisas; nem sempre com ajuda.
Antes das operações o pensar no antes e depois e no que pensamos imutável que se transfigura em volátil e desaparece... quais balões de hélio contra a lua.
Antes das operações os porquês e as dúvidas e as certezas de que "o que foi, não volta a ser!"

Agora, paciência e a certeza de sermos frágeis e vulneráveis e não um dos deuses imortais, de que tudo pode terminar num segundo e prolongar-se até à eternidade.
Nesta altura, tudo a ir e vir sem controlo, porque eu sou uma minúscula partícula do Universo à deriva, e isso é um milagre a zelar.

Vou contar uma história real.


"Era uma vez...
Uma sessão de BDSM com um Dono.
Fazia-se breath play descontraído e informal, sem ceremonial de rigído controlo D/s ou SM.
Depois do banho, uma toalha húmida agarrou-se com garras ao meu pescoço, no meio de cócegas e de poder físico.
Sempre a rir - ambos.
E um torniquete era apertado a retirar-me a possibilidade de me defender, o polvo sufocava-me, e eu sempre a rir.
De repente - adormeci...
Vi-me num lago, numa clareira num bosque, imersa até ao pescoço, numa água perfeita em que me sentia bem; mulheres altas, jovens e belas, também nuas, banhavam-me, salpicando-me água na cabeça e na cara - tudo o que de mim emergia da água.
Era um ponto pequenino no meio da clareira, rodeada de árvores gigantescas e no meio um céu de um azul indescrítivel - um quadro de Van Gogh ou Cézanne.
Sentia atrás de mim uma queda de água macia e calmante, via pássaros esvoaçar e sentia-me feliz! Sem medo, liberta e entregue...
Acordei com um sorriso rasgado no rosto e a certeza de ter adormecido, e nao me cansava de pedir desculpas ao meu Dono por ter adormecido - porque nunca me tinha acontecido em sessão.
Ele estava lívido e assustado e com olhos de quem não sabia o que se estava a passar.
Dizia-me que desmaiei e eu insistia que adormeci!
Ele ficou petrificado e bloqueado durante quase nove meses em que nem queria ouvir falar em BDSM.
Passado pouco tempo, acabamos a relaçao, sem que eu o culpasse jamais do sucedido; foi um acidente. E para mim valeu a pena; acordei desejosa de mais, queria fazer tudo que houvesse para fazer em BDSM e estava uma pilha carregada de energia. Ele, coitado, drenado de ânimo e de certezas - desiludido com ele próprio e a culpar-se. Foi um incidente/acidente e nada mais.
Mas levou-me pela mão ao paraíso e a imagem pwermanece vívida e real como então.
Que saudades dessa paz..."

terça-feira, março 18, 2008


Dono, sem si não teria conseguido manter-me calma e confiante.
Foi o ancoradouro para um barco na monção, um farol quando estava perdida, um ser humano que me ensinou a voltar a confiar e a sarar as feridas, sem as lamber!
Dono, faz-me especial, por ser tão especial - e isso é quase um milagre.
De joelhos o olho, de baixo... sua!

segunda-feira, março 17, 2008

UM OBRIGADO ESPECIAL...



video

A todos que me fizeram sorrir, um obrigado especial.
Amigo é quem não se esquece!
A mim ofereceram-me sorrisos... e eu não esqueço...

Numa segunda feira à tarde


De repente, surge a necessidade de escrever.

De dizer do rumo que a recuperação da bondarina tem tomado.

A operação correu bem e a recuperação está a ser plena. Com menos dores que da primeira vez, amanhã vai mudar o penso pela primeira vez.

A familia tem estado com ela, rodeando-a de mimos. Os telefonemas têm sido uma constante, expressando o cuidado e a atenção de amigos, e a bondarina treina a mão esquerda para aqui voltar a escrever.

Fica a promesssa que ainda hoje aqui estará algo escrito pela mão(esquerda) dela
JoaoDeAviz

quarta-feira, março 12, 2008

Já está! agora venham mimos!

Depois de um atraso, por agenda do Hospital, a operação correu bem e ela está em período de observação.

Graças aos telefonemas, da bondarina, mas também dos amigos que ao hospital se deslocaram, e falo do DOMINADOR1960 e da katrina-sub, fui sendo informado do que se passava.

A esses amigos, os nossos agradecimentos especiais, assim como a todos, os que de um modo ou de outro demonstraram o seu apoio.

Neste momento, azamboada ainda da anestesia, espera pela mãe, para a necessária dose de mimos.

Ao final da tarde estará em casa, pronta para, por palavras proprias voltar a escrever. Embora em ritmo mais lento, visto só poder dispor da mão esquerda.

JoãoDeAviz

terça-feira, março 11, 2008

ELECTRO-PLAY

E chegou o dia...

Caros amigos e anónimos deste blog...
Mais uma pausa por aqui e ali, porque sou operada amanhã à mao direita e nao será tao fácil escrever com a esquerda apenas...
Não fujam - têm 4 anos de blog para ler ee comentar e acrescentar os vossos conhecimentos e opiniões - eu só posso agradecer.
Volto mal possa - obrigada a todos pela solidariedade!
Beijo*

by ML

Suspiro...

Desde as onze da noite que faço tempo a ver TV para me relaxar e sentir que vale a pena - tudo...
Não consegui - são quatro da madrugada e continuo triste.
Daqui a 24h já fui operada de novo e nada se altera, continuarei dependente e ansiosa e injustiçada - porque é assim que sou...
Às vezes pára-se para sentir a vida vir de encontro a nós, e dói o choque do que é e não do que deveria ser...
Sinto-me frágil e assustada.
Sinto-me triste.
Sinto-me a caminhar para um abismo cheio de fantasmas do que um dia foi e nao volta a ser.

Jamais saberei porquê, mas carrego este fado de ser triste, frágil por dentro, a querer dormir sem acordar, a sentir quando as coisas acabam mesmo antes de acabarem - por ser mal-entendida.
A vida não ajuda, talvez a menopausa espreite e `as vezes era bom que não me fizessem tantas perguntas e me deixassem estar apenas.
Amanhã é de novo o último dia do resto da minha vida.
Quem me dera que algo mudasse e me fizesse rir, como no fim-de-semana passado e no outro e no outro.
Sou sempre feliz com alguém especial ao meu lado.
Mas não sei trepar muros nem fazer corta-mato.
Preciso de paz e a vida nao ma dá... e é mentira - não somos nós que a fazemos, mas ela a nós!

A angústia que desliza pela garganta nos anti-depressivos e calmantes para apaziguar o que me roubaram e o que nao me deram.
A tristeza que nao vai embora.
Os dias de alegria.
As pessoas especiais.
As nuvens...

Porque não tenho uma nuvem só minha?

sexta-feira, março 07, 2008


"Sonho que o meu Dono está a chegar,
de batalhas incontáveis,
com histórias de encantar...

*

Vejo-o num cavalo,
pingualim na mão direita,
e sei que a Sorte esteve à espreita.

*

Meu Dono entra no castelo
e todos correm a aclamar,
queda e muda, fico num canto, a corar...

*

Vem cansado e de olhos brilhantes,
o meu Senhor, da sua jornada,
e eu espero nada, senão a sua mirada...

*

Tiram-lhe tudo de cima
armadura, bornel e elmo
vestem-lhe linho, renda e pele;
calada espero que me chame
com os seus olhos de mel.

*

Oh, então acontece...
Um gesto leva-me a ele,
e enquanto me ajoelho
e ele me pousa a mão,
escorrega-me o cabelo
explode-me o coração!"


EQUILÍBRIO!
















Nudez da Alma!

O meu Dono vem a caminho...
E eu sinto a angústia de sempre - se estarei à altura, porque na vida também não ando à altura.
Nervos a escorrerem nas costas, peso nos ombros, cabeça cheia de limitações... será que o agradarei, que lhe darei o que ele sonhou fazer de mim, que serei quem ele espera?
O meu Dono vem a caminho e já hoje preparei casa e ambiente para tudo estar perfeito. Amanhã sou eu e os meus rituais - banho com espuma amaciadora, shampoo com condicionador, unhas arranjadas, depilação completa, roupa escolhida a preceito, e o destino a fazer-se na mão dele, com ou sem trela.
Às vezes páro para pensar - um Dono tem muita responsabilidade, porque ter Poder é um fardo e ter alguém na palma da nossa mão ou nas frinchas da nossa alma, é muito para um simples humano Dominante... Talvez por isso ser Dono nao seja para todos e sejam poucos os que de verdade são intrinsecamente Dominadores. Mas ser submisso também não é fácil, para quem leva a sério a entrega e sabe que está tudo em jogo - vontade, desejo, sacrificio, moralidade, imoralidade, amoralidade, o Bem e o Mal, a consensualidade e quando deixa de existir, tanta coisa...
O melhor mesmo é não racionalizar e deixar-se ir, como folha de faia na corrente dum ribeiro - suavemente. Ideal é a paz interior que vem do exorcismo exterior da dádiva por uma espécie de Amor. Fundamental é saber que o meu Dono vem ter comigo porque quer e nao por obrigação, porque juntos libertamos os fantasmas e recriamos as nossas pessoas. Porque somos por dentro e nao por fora.
A nudez da alma.
A alma calma.

E o meu Dono, que está a chegar!

terça-feira, março 04, 2008


A vida vazia e a cabeça cheia...

O post abaixo foi colocado pelo meu Dono antes de eu ter acordado...
Serviu de lição por me ter esquecido dois meses seguidos da data da coleira - dia 1.
Sucede que, àparte o meu esgotamento e muitos comprimidos, esse fim-de-semana foi complicado, com visitas aqui em casa, etc - e a verdade é que o dia 1 não me disse nada...
Lamento mas nao sinto culpa - tenho a cabeça a abarrotar de problemas e o meu Dono sabe - coisas sérias, entre operações médicas e desemprego e problemas financeiros...

Sou sua escrava mas tenho uma vida complicada também, poorque as escravas e os Doms continuam a ser gente com vida própria e problemas e às vezes falham sem querer.

O post dele é lindissimo e agradeço, mas é amargo e tenho pena.
Talvez no próximo mês a minha vida tenha mudado e eu não me sinta tao desorientada, e menos gente e mais escrava. Todos fazemos o que podemos não o que queremos...

Peço desculpa, meu Dono, a sua escrava também é gente!

O tempo que passa

Sete meses se passaram....