terça-feira, novembro 13, 2007

Onde andam as Dommes portuguesas?

"Dominante, Dom, Domme , Domina ou Dominatrix - A pessoa a quem é dado o controlo num troca consensual de poder.
Domme, Domina ou Dominatrix refere-se a mulheres..."
*
in "Screw The Roses, Send Me the Thorns"
Philip Miller e Molly Devon
*
*
*
Na verdade, que é feito das Dommes portuguesas?
Tenho alguns amigos, submissos no masculino portanto, desesperados atrás de Dommes, mas parece que não as há em Portugal.
Ou seja, pelo que julgo saber há 3 ou 4 já com nome no meio BDSM e escravo fixo há anos e depois umas arrivistas que a meio das sessões pedem para ser Dominadas e... claro e inevitavelmente, as Dommes Profissionais.
Qual o motivo porque as Dommes portuguesas não se assumem "publicamente" (leia-se, no meio BDSM)....?
Significará que a maioria das mulheres portuguesas na descoberta do BDSM são submissas? Portugal é um país de submissas? Ou há vergonha das mulheres em dar a cara no controle dos seus servos?
Alguém que me explique o mistério, porque não consigo entender.
Na Europa em geral, há países onde até há mais Dommes que Doms em proporçao, a exporem-se, tipo Espanha ou França...
Qual o fenómeno aqui?
Histórico, cultural, social, humano?
Gostava mesmo de saber porque as mulheres Dominadoras não saiem tão facilmente do armário, neste jardim à beira mar plantado...

5 comentários:

Princess Yavanna disse...

Boa pergunta… Já que me fizeste (e muito bem) pensar nisto, deixo aqui as minhas ideias :)
A primeira razão, e mais intuitiva, será a cultural e educacional.
Se pensarmos na nossa sociedade como retrógrada, pouco evoluída, e ainda marcada por uma educação católica, entendemos que o papel tradicional da mulher é completamente subvertido por uma mulher dominadora.
Sempre houve no nosso país, historicamente, mulheres muito fortes, que controlavam a casa, e a família, mas em termos sexuais, o poder feminino foi quase nulo pelo até à geração anterior à nossa.
Temos que pensar que na nossa sociedade uma mulher que queira asumir uma “diferença” tão inócua como não querer ter filhos, e não querer casar, ainda é olhada como “estranha”. Que dizer do resto...
Mas penso que há ainda outro motivo para a escassez de dommes em Portugal. É que a sua aparente quantidade, noutros países, que vemos em sites internacionais, também se deve a facto de nesses países, mais abertos, a vertente “pro” conviver com o meio BDSM de forma natural. Ou seja, não existe a estigmatização que cá existe, e muitas das dommes do meio, que aparecem em chats e fóruns estrangeiros, são de facto, também “pro” e que também usam esses meios, sem serem mal vistas, para dinamizarem o seu “businness”.
Coisa que seria impensável entre nós, como concluímos das discussões que já houve sobre este tema, em fóruns nacionais.
Ou seja, o que eu acho é que os sites da net, em muitos países, estão povoados de dommes, que aliam à sua vertente pessoal, também a vertente “pro”. Daí serem mais, e também mais activas, interessadas e participantes.
Mas ainda assim, acho que se calhar falaremos apenas de UK, Alemanha, Holanda, e US, porque da minha experiencia na net de falar com estrangeiros, também existe uma escassez generalizada de dommes, em termos proporcionais, na maior parte dos outros países.

Um grande beijo,
Y

Metamorphosis disse...

Eu sinceramente acredito que a maioria das mulheres portuguesas são realmente submissas, a maior parte das mulheres que conheço tanto dentro do meio BDSM, como fora (as baunilhas), são submissas, muitas confessam-me que o que mais querem é um homem "à antiga" que seja realmente dominador em todos os aspectos da relação. Acredito que esse é o principal motivo pelo qual existem poucas Dommes. Mesmo dentro do meio é como disseste bondarina, muitas começam por se dizer Dommes porque acham que o BDSM é uma questão de estatuto e que são superiores ou inferiores por serem Dommes ou subs, quando isso nada tem a ver. Têm dificuldade em entender que as pessoas são todas iguais e o ser Domme ou sub é (pelo menos para mim) uma questão de intimidade e entrega, que nada tem a ver com superioridade ou inferioridade. Resumindo mesmo dentro do meio, muitas das ditas Dommes são Switchers ou subs. Também existe de certeza fora do meio muita gente que gosta de BDSM e não tem coragem de assumir essas fantasias e desejos, muito possivelmente entre essas pessoas haverá muitas Dommes em potência, mas que pelos motivos educacionais e culturais já referidos pela Princess Yavanna, nunca chegam a assumir esse papel.

Beijinhos:)

antidote disse...

(second try)

grrr.. a ver se me lembro do que escrevi e que o gato comeu.

ah.


os meus humildes (mas nao submissos) bitaites.

nao vivo em portugal, e a realidade que conheco nao parece ser diferente. quer do que (pouco) que vi quer do que oico em conversas ao longo de alguns anitos, parece me que a grande maioria das mulheres entra na cena usando uma "persona" submissa e que eventualmente lá "mais pr'ó mêo" fazem um come out como domm ou switch ou o que for. talvez por inseguranca, que reflecte o papel pequeno que a sociedade - qualquer qu sejja o pais - atribui ás mulheres, ou porque preferem um papel de mais low profile, ou preguica, como undercover" para explorar melhor sem ser notada, etc o ponto a que eu quero chegar nao é uma eventual discussao das motivacoes, mas a percepcao que nao me parece que essa predominancia de subs seja "típicamente" portuguesa.

o pais em que eu vivo nao tem uma cultura dominante catolica ou de mulheres oprimidas.

como disse, sao os meus bitaites.

obrigada por lerem,
antidote

Isa disse...

Yo no creo en "brujas" pero que las hay... las hay
:))

Lilith disse...

Onde é que estão as filhas de Lilith? Que las hay, hay.
Eu gostava de saber das dominadoras entre mulheres, perdoem-me os homens. Alguém sabe onde encontrá-las?