terça-feira, maio 27, 2008

Vivendo o BDSM

"O que se deve exigir de uma escrava? O que é BDSM integrado na vida pessoal de cada um e de um casal? Dono, escrava, o que são e como vivem? Será que ela tem de andar de andrajos e braceletes com argolas e coleira o tempo todo? Nua por baixo da roupa? Tem de ter sempre a marca do chicote? Deve dormir no chão? Em determinada posição na cama? Será que tem de ter tarefas diárias?E o Dono? Tem de estar sempre a pensar em como manter a escrava "ocupada" com tarefas? Sempre a inventar deliciosas torturas e jogos para a escrava o entreter?

É exactamente isso que as personagens de livros fazem. A escrava vive continuamente para agradar e servir o Dono, e este tem sempre alguma preparada para a sua escrava.Lamento, não consigo fazer isso enquanto Dono. Trabalho, vivo longe da minha escrava, e embora falemos diariamente de imensa coisa, a verdade é que a maior parte das coisas dizem respeito a vida de duas pessoas enquanto seres humanos e não a D/s. Muitas vezes nem há vontade de fazer BDSM, pois as necessidades de cada um apontam para outras coisas: sociabilização, saúde, profissão, família etc. Enfim, prioridades…E não exijo isso à minha escrava.

Algumas vezes aparece a questão de Gor.
Não sou goreano pelo simples motivo que não sou nem niilista, nem acredito nos semideuses do Olimpo grego, ou na Utopia de More, e filosoficamente falando, isso é o que encontro naquilo a que alguns subentenderam chamar de Gor e outros de ficção.Acredito mais num BDSM em que as pessoas vivem uma relação D/s com respeito mútuo, com segurança e responsabilidade.Viver uma relação D/s em que se pratica BDSM é ao fim e ao cabo o meu ideal e encontrei uma submissa que tem a mesma maneira de estar e os dois em conjunto, vivemos o que gostamos do modo que podemos.Talvez seja pouco ambicioso ou talvez não seja megalómano, não é coisa que muito me interesse e sim o estar em consonancia com o que acredito e me traz prazer e acima de tudo felicidade. Com a bondarina vou vivendo uma relação que me agrada, e ela traz-me o prazer e a felicidade com a sua servidão.Se pode haver alturas em que aquilo que fazemos é mais pró isto ou mais pró aquilo, se num dado momento é usada este ou aquele habito, no outro pode ser substituido por outro.

A rotina não cabe por isso na nossa relação.Não é tanto nos pequenos rituais de vestir, comer, dormir, que eu aprecio a submissão, e sim na atitude continua de querer agradar. tal como as algemas, os pequenos rituais nao sao suficientes para prender uma alma, e nisso eu sou ambicioso sim. E isso eu tenho, uma alma onde mergulho e me banho, uso e aliso, com que brinco e rio, e falo coisas serias. Ao fim e ao cabo, uma alma que se encaixa na minha."

JoãoDeAviz

1 comentário:

Switcher disse...

MUito bonito, ainda assim não percebi qual a sua relação com o BDSM, o que fala ai é BDSM com amor, porque se permite a si mesmo a deliniar o seu próprio BDSM com a sua escrava. E é bonito se assim for...

Switcher