terça-feira, outubro 24, 2006

Meu Dono...
Este servir estranho que Vos faço,
esta trajectória incerta em meu passo,
este caminho longo em que me faço,
não é mais que crescer na Vossa mão,
pedinte esfomeado esperando Vosso pão...
Esta menina perdida no trilho,
vadia da vida áspera do Mundo,
feita mulher depressa para Vos servir,
nada mais é que uma pequena serva do martírio
para um sorriso em Vosso rosto ver florir.
Andrajosa e gasta d´outros desvios,
caminhante de grandes e passados desvarios,
viajante de outras vagas de prazer,
pede agora que num subito rompante
façais dela uma escrava a obedecer.
Nem sempre perfeita no traço,
nem sempre justa no precalço,
nem sempre capaz de obedecer,
no entanto servente de Vossa vontade
como soe a quem capaz de por Vós morrer.
E se duvidais da minha entrega
de tudo que Vos dou sem tal parecer
- mesmo em noites de refrega,
quando fazeis em mim Vossa mão descer -
acordai já Vossos olhos vendados
pois seguro é que cego é aquele que não quer ver...

5 comentários:

Inês Ramos disse...

Está magnifico! AMEI!!!

João disse...

Oi
Adorei o teu blog
Tá maravilhoso.Quer as fotos quer os lindos textos que postas.Parabéns
Já agr será que posso tirar alguma foto que tens aqui no teu blog pro meu???
Beijinhos
Passa no meu e deixa a tua marquita

MissLibido disse...

Olá Joao...
Já passei no teu blog e amei.
Já me pediste para usar fotos antes e acedi, claro...
E eu é que agradeço a tua escolha...

Boa semana **********

Ademar Santos disse...

Sugiro-te que castigues essa gralha, que pousou, descarada, no teu poema: "precalço". Obriga-a a escrever, de cócoras, 69 vezes: percalço.
Desculpa a observação. Os meus olhos ficam sempre a tremer diante da espécie. Raio de gralhas, que não nos deixam em paz!

MissLibido disse...

É o problema de escrever sem rascunho, directamente como sai da inspiração.
Obrigada pela correcção -já tinha detectado a falha, mas na altura fui preguiçosa e esqueci.
Bem-vindo a este espaço, Ademar!
** ML