sexta-feira, outubro 16, 2009

Um Livro! Uma Domme!



"Memórias de Uma Cantora Alemã"

Wilhelmine Schroeder


Acabei de o ler hoje de manhã, depois de cinco horas de sono apressado, após uma madrugada de maratona para o tentar acabar...

São quase e apenas duzentas páginas, limpas e escorreitas, escritas pela pena de uma cantora lírica alemã do século XIX, sob a forma de memórias relatadas a um médico amigo - "o único homem que não a cortejou..."

Na Europa cultural da alta sociedade, a autora tem um percurso sexual rico de comportamentos desviantes à luz da época (e ainda hoje) que denuncia pela sua opinião "...a nossa sociedade vive de aparências, e há duas morais, uma moral pública e uma moral privada. (...) Sim, eu tinha razão - a moral do Mundo assenta sobre as aparências."







Começando virgem e despretencioso, como uma noviça, o livro e a vida da jovem vão engrossando como uma vaga, num crescendo de variantes surpreendentes que ilustram de forma soberba a Europa sexual escondida da velha aristocracia decadente, até ao deboche total, sem nunca perder a dignidade nem a honra da sua autora.

Confesso que me senti arrebatada pela narrativa no feminino, pelos jogos de sedução, pelo poder psicológico aka Dominação latente em todo o texto e o crescendo de sexualidades alternativas onde menos se esperam, até um grand finale, que nos deixa tristes por terminar.

Desconhecendo por completo a obra - recomendo-a agora e incluo-a no rol dos volumes da literatura erótica autobiográfica, infinita de valiosa informação de época, inclusivé em relações D/s e SM.

Em última instância, um relato histórico da mentalidade cultural e identidade gentílica da Europa do século XIX... pelos olhos de uma mulher com uma potencial sexualidade, forçosamente mantida escondida mas não adormecida!

3 comentários:

Janus_Sw disse...

Espero encontrar esse livro aqui no Brasil... Adorei seu comentário e me estimulou muito!!!
Saudações

Joao disse...

Os clássicos trazem a pureza crua do conceptual, ainda não desvirtualizada pela cultura...
Parabens pelo regresso ;)

brokenbird disse...

Infelizmente a convivência entre os sexos ainda está muito contaminada pelos preconceitos e pela observância de determinados papeis rígidos. Mais do que a cidadania passiva importa reconhecer o feminino na sua diferença e semelhança o que representa um esforço historicamente recente